langage change

Immigration Bureau of Japan

sp menu

Exemplos de casos de Permissão de Residentes Permanentes concedidos e negados, baseado nas diretrizes sobre “Contribuição para o Japão”(data vigente 1 de janeiro de 2006)

ADOBE READER

Exemplos de casos de Permissão de Residentes Permanentes concedidos e negados, baseado nas diretrizes sobre “Contribuição para o Japão”(data vigente 1 de janeiro de 2006)

De acordo com a “3ª. proposta do Sistema de Zonas Especiais para a Reforma Estrutural”, foi decidida a “divulgação dos candidatos que permaneceram no Japão por mais de 5 anos e que adquiriram a permissão de residência permanente devido à sua contribuição ao Japão, a fim de definir claramente as exigências para a permissão de residente permanente, durante o ano de 2004". Assim como, o “3º. relatório a respeito da Reforma Regulamentar Geral” (datada de 22 de dezembro de 2003) pede ao governo divulgar os dados acima mencionados antes da programação original e anunciar oficialmente também os casos de solicitações negadas de permissão de residência permanente. Além disso, “o planejamento do terceiro ano de Promoção de Abertura Civil da Reforma Regularizada” (datada de 25 de março de 2005) tem como objetivo apresentar os casos de solicitações concedidas e negadas, com o intuito de apresentar aos estrangeiros que queiram fazer a solicitação possibilidades maiores de aprovação da permissão. A partir de 1998, a autoridade de controle de imigração tem concedido e negado a permissão de residência permanente aos seguintes candidatos abaixo, avaliando seu nível de contribuição ao Japão.

A autoridade do controle do imigração atualizará esta seção de casos, quando necessário.

[Casos de concessão da Permissão de Residentes Permanentes]

(Caso 1)

O candidato é um investigador científico e tecnológico e apresentou em dezenas de revistas científicas e tecnológicas os resultados de suas pesquisas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição no desenvolvimento do nível da ciência e da tecnologia do Japão. (Período de residência no Japão: 9 anos e 5 meses)

(Caso 2)

O candidato era um jogador amador no Japão. Durante sua carreira participou da Copa do mundo, e atuou como treinador durante sua carreira como esportista. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na promoção do esporte no Japão. (Período de residência no Japão: 7 anos e 7 meses)

(Caso 3)

O candidato serviu ao ensino educacional superior do Japão, como professor catedrático de música. Em sua carreira, orientou músicos amadores gratuitamente. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na promoção da educação e cultura no Japão. (Período de residência no Japão: 5 anos e 10 meses)

(Caso 4)

O candidato serviu como um investigador da literatura japonesa e recebeu muitas honras, incluindo condecoração na 3゜classe da Ordem do Sol Nascente, Medalha Média (Order of the Rising Sun, Medium Ribbon), e outros prêmios em cada categoria. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área de literatura do Japão. (Período total de residência no Japão: 9 anos. Foi concedida a permissão de residência permanente 3 meses após ter entrado no Japão.)

(Caso 5)

O candidato tem servido como professor catedrático de uma universidade por longo tempo. A autoridade de controle de imigração reconheceu a sua contribuição no ensino educacional superior do Japão. (Período de residência no Japão: 7 anos)

(Caso 6)

O candidato serviu ao ensino educacional superior do Japão como professor assistente da universidade. Em sua carreira, fez realizações notáveis como investigador científico, apresentando muitos dos resultados de sua pesquisa em revistas científicas, e orientou muitas conferências e grupos de pesquisas científicas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na indústria, na educação e outros campos do Japão. (Período total de residência no Japão: 9 anos e 5 meses. Foi concedido a permissão 7 anos e 11 meses após a entrada no Japão.)

(Caso 7)

O candidato teve um notável sucesso como líder na área de desenvolvimento de sistemas e isso foi altamente considerado em sua avaliação. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição à indústria de tecnologia e informática do Japão. (Período total de residência no Japão: 10 anos e 9 meses. Foi concedido a permissão de residência permanente 6 anos após ter entrado em Japão.)

(Caso 8)

O candidato tem servido por muito tempo como diplomata estrangeiro no Japão. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área de relações internacionais. (Período de residência no Japão: 6 anos e 3 meses no total)

(Caso 9)

Em conseqüência de suas atividades de pesquisa no Japão, o candidato apresentou o resultado de suas pesquisas em muitas revistas científicas, foi convidado para ministrar palestras em conferências internacionais e ganhou reconhecimento internacional nesse campo. Trabalha também em programas de pesquisa corporativa em institutos de pesquisas japoneses. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área científica e tecnológica. (Período de residência no Japão: 7 anos e 9 meses)

(Caso 10)

O candidato atuou como professor assistente de uma universidade no Japão por mais de 4 anos. Além de estar trabalhando no ensino educacional superior, trabalhou também em atividades de pesquisa em países em desenvolvimento como um investigador enviado e obteve um elevado reconhecimento pelos seus trabalhos de pesquisa. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição no campo acadêmico. (Período de residência no Japão: 7 anos e 3 meses)

(Caso 11)

O candidato serviu como professor regular de uma universidade no Japão por mais de 3 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão (em língua estrangeira.) (Período de residência no Japão: 8 anos e 1 mês)

(Caso 12)

O candidato serviu como professor assistente de uma universidade no Japão por mais de 5 anos e contribuiu para a melhoria do ensino educacional superior no Japão (em língua estrangeira). Participou também em muitas atividades educacionais, incluindo atividades na central de execução de testes para o ingresso à universidade. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área educacional do Japão. (Período de residência no Japão: 7 anos e 2 meses)

(Caso 13)

O candidato serviu como professor assistente de uma universidade no Japão por cerca de 3 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão (em tecnologia de informação). (Período total de residência no Japão: 17 anos e 4 meses. Foi concedida a permissão de residência permanente 4 anos e 11 meses após ter entrado no Japão.)

(Caso 14)

O candidato serviu como professor catedrático e professor assistente de uma universidade no Japão por mais de 5 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão (em lei internacional). (Período de residência no Japão: 5 anos e 6 meses)

(Caso 15)

O candidato serviu como professor assistente de uma universidade no Japão por mais de 3 anos e orientou pesquisas na área de física. Trabalhou na área de física fundamental e apresentou também muitos artigos em revistas científicas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área acadêmica do Japão. (Período de residência no Japão: 11 anos e 2 meses)

(Caso 16)

O candidato serviu como um professor catedrático de uma universidade no Japão, por mais de 3 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão (na política internacional). (Período de residência no Japão: 13 anos e 7 meses)

(Caso 17)

O candidato desde que entrou em Japão atuou na universidade, por aproximadamente 9 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão (em pedagogia estrangeira e em culturas estrangeiras). (Período de residência no Japão: 8 anos e 11 meses)

(Caso 18)

O candidato serviu como professor catedrático de uma universidade no Japão, por aproximadamente 22 anos no total. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão (em neuropsicologia). (Período de residência no Japão: 7 anos e 6 meses)

(Caso 19)

O candidato atuou como pesquisador de biologia. Os resultados da pesquisa são de aplicações altamente práticas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área da pesquisa do Japão. (Período de residência no Japão: 10 anos e 10 meses)

(Caso 20)

Desde que entrou no Japão, o candidato serviu como professor catedrático de uma universidade no Japão por mais de 8 anos. Contribuiu na melhoria do ensino educacional superior do Japão (na área de tecnologia de informação) e tem uma elevada reputação pelos seus trabalhos de pesquisa tanto no Japão como no exterior. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área educacional e de pesquisa do Japão. (Período de residência no Japão: 9 anos e 9 meses)

(Caso 21)

O candidato serviu como um pesquisador médico, ganhou premiações de institutos médicos e tem elevada reputação tanto no Japão como no exterior. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área de pesquisa do Japão. (Período de residência no Japão: 9 anos e 8 meses)

(Caso 22)

O candidato trabalhou em missão diplomática estrangeira no Japão por mais de 10 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição no intercâmbio internacional entre Japão e o país emissor. (Período de residência no Japão: 8 anos)

(Caso 23)

O candidato desde que entrou no Japão trabalhou em atividades da pesquisa em tecnologias de ponta. Também publicou seus artigos em revistas acadêmicas dentro do Japão como no exterior e fez apresentações em conferências acadêmicas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área de pesquisa do Japão. (Período de residência no Japão: 8 anos e 3 meses)

(Caso 24)

O candidato desde que entrou no Japão, tem servido consistentemente à educação da língua inglesa em regiões do interior do Japão. Tem divulgado a cultura tradicional do Japão, dentro do Japão como no exterior tocando instrumentos musicais tradicionais, assim como falando dialetos locais. Deu também aulas em universidades no Japão. Desta forma, introduz a cultura local japonesa, no Japão e no exterior sob o ponto de vista de um estrangeiro. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área cultural e da arte no Japão. (Período de residência no Japão: 7 anos)

(Caso 25)

O candidato deu aulas na área de ortopedia no departamento de medicina da universidade no Japão por mais de 3 anos. As revistas científicas de ortopedia fizeram menção especiais sobre várias de suas teses, assim como tem suas teses citadas em revistas acadêmicas especializadas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição no campo da pesquisa do Japão. (Período de residência no Japão: 13 anos e 4 meses. Foi concedido a permissão 3 anos após ter mudado seu status de licença de trabalho.)

(Caso 26)

O candidato serviu como um professor assistente no departamento de agricultura de uma universidade no Japão por mais de 5 anos. Fez contribuições na melhoria do ensino educacional superior do Japão. Além disso, membros de conferências acadêmicas tanto no Japão como no exterior avaliaram altamente seus trabalhos de pesquisa. Seus artigos foram publicados também em revistas estrangeiras conceituadas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área de pesquisa do Japão. (Período de residência no Japão: 5 anos e 7 meses)

(Caso 27)

Desde que entrou no Japão há 6 anos, o candidato trabalhou em uma instituição administrativa independente no Japão e paralelamente trabalhou em atividades de pesquisa em institutos de pesquisa, também no Japão. Muitos de seus artigos foram publicados em revistas especializadas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição no campo da pesquisa do Japão. (Período de residência no Japão: 6 anos)

(Caso 28)

O candidato serviu como professor regular de universidade no Japão por mais de 6 anos e desenvolveu com sucesso sua própria metodologia de ensino de língua estrangeira. Também editou livros didáticos assim como fez orientação de professores. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área educacional do Japão. (Período de residência no Japão: 6 anos e 2 meses)

(Caso 29)

O candidato atuou em atividades científicas, como no Congresso de Magnéticos Aplicáveis do Japão, Associação de Cerâmica do Japão e Conferência de Física Aplicada do Japão entre outras. Contribui para o desenvolvimento da tecnologia e ciência na área de magnéticos aplicáveis de películas espessas, assim como fez requerimento de patente e publicou vários artigos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição no campo de pesquisa. (Período de residência no Japão: 8 anos e 8 meses)

(Caso 30)

O candidato trabalhou em uma empresa sediada no Japão, paralelamente publicou vários de seus artigos na Conferência Acadêmica de Eletricidade e foi premiado por uma revista científica. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área de pesquisa, assim como por ter ganhado um conceituado prêmio. (Período de residência no Japão: 10 anos e 4 meses. Foi concedida a permissão 4 anos e 3 meses após ter mudado seu status de licença de trabalho.)

(Caso 31)

O candidato atuou como professor catedrático da universidade federal, no departamento de engenharia por aproximadamente 8 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria na área educacional do Japão. (Período de residência no Japão: 8 anos e 3 meses)

(Caso 32)

O candidato desde que entrou no Japão tem servido consistentemente ao ensino da língua inglesa, em universidades, como professor associado e catedrático, por aproximadamente 7 anos. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria na área de ensino educacional superior do Japão. (Período de residência no Japão: 6 anos e 9meses)

(Caso 33)

O candidato trabalha em uma Indústria automobilística, fez apresentações de seus artigos relacionados ao pó metalúrgico e publicou vários de seus artigos na Conferência Acadêmica de Metal do Japão, entre outras. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição ao desenvolvimento do campo industrial e de pesquisa no Japão, e por ter ganhado um prêmio de uma associação conceituada. (Período de residência no Japão: 8 anos e 6 meses)

(Caso 34)

O candidato após ter terminado o curso de doutoramento pelo departamento de economia de uma universidade no Japão, foi admitido como professor de uma outra universidade, atuando como professor catedrático por aproximadamente 3 anos. Além disso, foi coordenador de um projeto de construção de redes internacionais. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na área educacional do Japão. (Período de residência no Japão: 7anos)

(Caso 35)

O candidato atuou como treinador de um esportista japonês que teve participação nas Olimpíadas, assim como atualmente está treinando um esportista com perspectivas de participação nas próximas Olimpíadas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua grande contribuição na área de esportes do Japão. (Período de residência no Japão: 6 anos e 7 meses)

(Caso 36)

O candidato desde aproximadamente 20 anos atrás tem participado de competições esportivas no Japão, assim como continua participando destas competições. Foi premiado por uma associação conceituada por ter contribuído para o desenvolvimento desta categoria esportiva. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua grande contribuição na área de esportes do Japão. (Período de residência no Japão: 7 anos e 6 meses)

(Caso 37)

O candidato residiu no Japão como estudante estrangeiro, por aproximadamente 14 anos, depois como professor associado de uma universidade por 4 anos, ministrando aulas de comunicação de culturas distintas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição na melhoria no campo educacional superior do Japão. (Período de residência no Japão: 18 anos e 1 meses. Foi concedido a permissão 4 anos e 8 meses após ter mudado seu status de licença de trabalho.)

(Caso 38)

O candidato atuou na área de nanotecnologia, na combinação de partículas nano de semicondutores full collor, entre outros, publicando vários de seus artigos sobre os respectivos temas em Conferência de Química e Conferência de Macromoléculas. A autoridade de controle de imigração reconheceu sua contribuição no campo pesquisa do Japão, por ter apresentado resultados de pesquisas originais. (Período de residência no Japão: 8 anos e 8 meses. Foi concedido a permissão 3 anos e 7 meses após ter mudado seu status de licença de trabalho.)

[Casos de não concessão da Permissão de Residentes Permanentes]

(Caso 1)

O candidato alega criação, promoção e exportação de cavalos japoneses de raça, servindo como consultor administrativo de fazendas de criadores de cavalo, como também ministra conferências. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente porque o candidato permaneceu no Japão somente pelo curto período de 1 ano e 6 meses.

(Caso 2)

O candidato alega estar atuando como artista plástico, produzindo vários quadros, e tendo posse de vários outros, assim como fez doações dos seus trabalhos a museus de artes recém-construídos. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente porque o candidato durante a permanência no Japão não teve bom comportamento. (Estava envolvido com estadia ilegal no Japão.)

(Caso 3)

O candidato alegou atuar como professor de crianças estrangeiras em uma instituição. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente porque as atividades do candidato não se encaixam na contribuição social ao Japão.

(Caso 4)

O candidato trabalha em uma escola de ensino fundamental como professor por 1 ano e alegada estar trabalhando também em atividades voluntárias como intérprete. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente porque as atividades do candidato não se encaixam na contribuição social ao Japão.

(Caso 5)

O candidato abriu uma empresa no Japão e atua como administrador, entretanto, os valores de seus investimentos, o nível de lucro ou outros desempenhos da empresa não são significativos. A autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente por não reconhecer a contribuição considerável à economia ou às indústrias japonesas.

(Caso 6)

O candidato atua em atividades de pesquisa como um estudante de pesquisa na universidade. Entretanto, suas atividades de pesquisa estão sob a orientação de um professor, seu âmbito de atuação em atividades de pesquisa se limitam à de um estudante. A autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente por não reconhecer sua contribuição na área de pesquisa no Japão.

(Caso 7)

O candidato atuou como cargo equivalente a diretor em uma empresa de investimento. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente por não reconhecer sua contribuição à economia japonesa e não fez outras contribuições ao Japão.

(Caso 8)

O candidato atuou em cargo equivalente a diretor assistente em uma empresa de desenvolvimento de sistemas. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente por não reconhecer que houve contribuição à economia japonesa e não fez outras contribuições ao Japão.

(Caso 9)

O candidato permaneceu no Japão por aproximadamente 9 anos, alegou que compõe músicas e faz shows das músicas que compõe, se esforçou significativamente no intercâmbio na área musical entre Japão e seu país de origem. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente por não reconhecer sua contribuição ao Japão nas áreas da cultura e da arte.

(Caso 10)

O candidato permaneceu no Japão por aproximadamente 9 anos, coordenou apresentações de artistas japoneses em seu país de origem, alegou fazer eventos para incentivar entendimento mútuo entre empresas japonesas e empresas de seu país de origem. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente por não reconhecer que tenha havido alguma contribuição ao Japão.

(Caso 11)

O candidato desde que entrou no Japão permaneceu por 3 anos como um estudante estrangeiro. Depois atuou como assistente da universidade no departamento de medicina por 5 anos. Entretanto, a autoridade de controle de imigração negou a permissão de residência permanente por não reconhecer sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão.

(Caso 12)

O candidato atuou no Japão como assistente orientador de língua estrangeira, atuando por 3 anos no ensino médio no Japão, depois 4 anos no ensino superior atuando na área de educação de língua inglesa. Porém, a autoridade de controle de imigração não reconheceu estar atuando em uma universidade japonesa, ou em órgão equivalente como professor regular, ou catedrático ou assistente. Sendo assim, negou a permissão de residência permanente por não reconhecer sua contribuição na melhoria do ensino educacional superior do Japão.